sábado, 12 de novembro de 2016

Cuidados ao escolher onde hospedar seu pet

Os feriados finalmente voltaram, o fim de ano está chegando e quem tem um cão ou gatinho de estimação sempre enfrenta o dilema entre viajar ou ficar para cuidar de seu ente querido. A boa notícia é que, mesmo que não seja possível levá-lo junto na viagem, é possível viajar tranquilo, deixando seu melhor amigo aos cuidados de especialistas.

Existem muitas opções no mercado, para todos os gostos e bolsos, indo desde pessoas que se dispõem a cuidar de pets para complementar a renda até hotéis especializados e estruturados para cuidar de animais. A qualidade, no entanto, também varia muito de um lugar para outro. Não é necessário escolher um hotel caro e sofisticado, contanto que os seguintes cuidados sejam observados pela pessoa ou hotel que cuidará de seu melhor amigo enquanto você viaja:
  • Segurança no local, com portões, grades e/ou cercas múltiplas para evitar fugas e sem objetos ou estruturas cortantes, inflamáveis ou intoxicantes nos espaços destinados aos hóspedes, além de vigilância ou alarme para evitar roubos;
  • Higiene apropriada, considerando que locais com grande movimentação de pets, como hotéis, pet shops e casas de cuidadores, devem ser higienizados com produtos antissépticos veterinários para evitar problemas dermatológicos, infecções ou transmissão de parasitas, fungos e bactérias;
  • Triagem adequada dos hóspedes, através da verificação da vacinação e da vermifugação dos hóspedes, além de cuidados especiais para evitar cruzas indesejadas;
  • Monitoramento em tempo integral enquanto os hóspedes estiverem acordados, para evitar incidentes com eles, com pessoas ou outros hóspedes;
  • Atividades recreativas para tornar a hospedagem mais divertida e compensar a saudade;
  • Alimentação ministrada de maneira organizada, em horários determinados para manter a rotina do pet;
  • Espaço físico adequado para caminhadas, corridas e brincadeiras, sem que haja a necessidade de passeios externos que podem ocasionar fugas;
  • Acomodações adequadas para dormir, limpas, arejadas, com espaço suficiente para a livre movimentação e altura suficiente para evitar a sensação de aperto, principalmente se forem fechadas;
  • Principalmente para cães que tem medo de fogos de artifício ou barulho, preferir acomodações com isolamento acústico ou situadas em locais isolados, garantindo aos hóspedes um sono tranquilo;
  • Por último, e não menos importante, certifique-se que as pessoas que cuidarão de seu amigão gostam de verdade de animais, para garantir todo o carinho que ele merece!

Todo detalhe é importante para que seu amigão fique bem enquanto você viaja. Além disso, todo cuidado é pouco e qualquer descuido pode ser fatal. Mesmo que haja um seguro, nada compensará a perda de um ente querido por fuga ou falecimento, ou ainda incapacitação ou feridas que podem nunca mais ser totalmente curadas.

Com esses cuidados, viaje tranquilo, sabendo que seu melhor amigo está em boas mãos, e aproveite para descansar e curtir!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Como controlar a queda de pelos do seu pet

Algumas raças de cães e gatos soltam menos pelos, mas uma boa escovada semanal já resolve o problema



Cães de pelo longo precisam de banhos e escovação semanais
Crédito: Flickr/CC - darylljann

Você tem um jantar ou um encontro especial e está atrasado. Quando finalmente chega ao local previsto se dá conta que a sua roupa está cheia de pelos do seu totó. Com certeza, essa situação é familiar para diversos donos de animais, principalmente, se forem gatos.

Apesar do problema deixar muitos sem paciência, a mudança de pelo é um processo natural nos bichos que acontece, principalmente, durante a mudança das estações climáticas. Após o inverno, por exemplo, a pelagem tende a cair para refrescar o corpinho dos bichos no verão, mas no dia-a-dia, a queda também ocorre.

É nessa fase que o pelo antigo cai para dar lugar a uma pelagem novinha e sedosa. Obviamente, existem raças de cães, principalmente os de pelo curto, que soltam menos pelo, mas se você tem um bichinho bem peludo, não se preocupe. Para garantir uma perda saudável de pelos, basta alguns cuidados básicos como a escovação e limpeza dele.

Ah, mas vale lembrar, no entanto, que além da chamada perda fisiológica dos pelos, é possível que o animal esteja sofrendo de algum problema mais grave. O estresse, sarna e micoses também podem contribuir para a queda. Na dúvida, corra ao veterinário mais próximo!

Confira a seguir uma lista com dicas para contornar a queda fisiológica de pelos e boa sorte!

1. Escove com regularidade
Seu bicho vai adorar. Primeiro, escove contra os fios, para tirar os pelos mortos; depois, no sentido normal, para dar brilho. Isso não diminui a queda, mas tira de vez os pelos já soltos.

2. Escolha uma boa ração
Nada de dar sobras de comida para o seu pet. Compre uma ração de qualidade. Se seu animal tiver alergia, tenha ainda mais cuidado. Já existem no mercado algumas marcas de ração especiais para bichos alérgicos ou para melhorar a pelagem.

3. Visite o veterinário
Se você perceber qualquer anormalidade no seu bicho, como manchinhas vermelhas, coceiras, pulgas e carrapatos, leve-o ao veterinário. É sempre bom cuidar logo para que o problema não se agrave.

4. Hora do banho
Seu pet vai choramingar e fugir, mas você não deve desistir. Cães devem ir para o chuveiro a cada 15 dias. Os gatos podem ficar mais tempo sem ducha, mas vale a pena investir em um banho periodicamente.

Fonte: PetMag

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Especialistas explicam a linguagem corporal do seu cão

Nem sempre o abanar do rabo significa que seu bichinho está contente


Cãozinho pode acordar com “humor brincalhão”
Crédito: Flickr/CC mccun934






Ao chegarmos em casa, nosso cãozinho abana o rabo e logo presumimos que ele está super feliz em nos ver. Ou, em outra situação, ele levanta a orelha e percebemos que alguma coisa está errada. Essas são apenas algumas das várias linguagens corporais que os cães usam para se comunicar, de acordo com o site do canal americano WWTG FOX 5.
“Enquanto há algumas dezenas de latidos diferentes, existem também centenas de posições de orelhas, rabo, patas e mais, que os cachorros usam para ser comunicarem”, disse Lisa Mullinax, profissional em problemas comportamentais de cães, à 4Paws University Inc. Aprenda a “ler”algumas dessas linguagens a seguir.

Olhos

Encarar diretamente os olhos do cão pode significar confronto. É preciso prestar atenção nas pupilas, diz a dra. E'Lise Christensen, veterinária e especialista em comportamento dos cães, na NYC Veterinary Specialists. “Pupilas que estão dilatadas indicam que o cachorro não está confortável”, acrescenta. Cachorros com “olhar suave”, que tendem a desviar o olhar, são menos propensos a serem conflituosos.

Boca

Lábios apertados geralmente são sinal de estresse, no entanto, a diferença entre o desconforto e a ameaça pode ser sutil. Outro fator pode ser as mudanças na respiração: indo de ofegante à boca fechada indica desconforto e, o oposto, indica o aumento de felicidade.
Dois indicadores de estresse ou ansiedade são a língua pingando e o bocejo. “O bocejo, quando o cachorro não está calmo ou cansado, é um sinal de estresse ou conflito”, diz Mullinax. Basta ir a uma sala de espera de uma clínica veterinária para ver vários cãezinhos bocejando de tanto tédio.

Orelhas

Quando as orelhas estão eretas, isso denúncia que o cachorro está totalmente alerta; já quando elas estão puxadas para trás indica que ele está ansioso ou estressado.
A parte de trás do pescoço do animal, atrás das orelhas, costuma ficar eriçada diversas vezes. Isso é chamado de “piloereção” e, segundo E'Lise, é exatamente igual aos arrepios dos humanos. “O alerta e o ataque estão diretamente ligados, e os pelos eriçados são interpretados como sinal de agressão, mas nem sempre é o caso. Assim como nós nos arrepiamos quando assistimos a um filme de terror ou escutamos uma história realmente comovente, os cães se arrepiam quando suas emoções estão à flor da pele”, completou.

Rabo

O rabo talvez seja a parte mais expressiva do corpo do cão, como também a mais difícil de ser compreendida. Uma simples abanada de rabo pode ser sinal de exaltação, boa ou ruim – isso não significa que o cachorro é amigável. Se o cachorro levanta e abana o rabo de forma mais forte, isso indica um possível ataque, enquanto abanada mais fraca pode indicar nervosismo.
Um cão feliz e descontraído geralmente balança o rabo em círculos, ou de um lado para o outro. Já o “rabinho entre as pernas”, é um clichê por um motivo: ele indica um cachorro assustado, triste ou estressado.

Lendo comportamentos caninos específicos

Além da comunicação com partes do corpo, os cachorros também transmitem informação através do comportamento e da postura. Por exemplo, se curvar para frente com as patas dianteiras, é sinal de que o cãozinho está com um humor brincalhão. Uma curvatura ligeiramente diferente é uma saudação, e geralmente vem acompanha daquela esticada do corpo.
Se curvar é quando os cachorros dobram todo o corpo em forma de banana e se movem lentamente em círculos. Isso significa que o cachorro está tentando acalmar a situação.
Alguns cachorros, especialmente aqueles que são ansiosos, podem rolar de costas indicando que desejam terminar uma interação com o dono, segundo E'Lise. Algumas vezes, isso é erroneamente interpretado como se o cachorro estivesse oferecendo sua barriga para ser acariciada ou apresentasse um sinal de submissão.

Os humanos muitas vezes também são incompreendidos

Quem gosta de cães sempre vai querer agradá-los, mas podem muito bem ser mal interpretados pelo amigo de quatro patas. Conhecendo essas dicas sutis, você terá uma experiência mais harmoniosa não apenas com o seu cão, mas com outros também. Pense em como cumprimentamos os cães – olhamos nos seus olhos, nos curvamos e colocamos a mão em suas cabeças. Na linguagem do cão, diz E'Lise, "estes gestos podem realmente ser bastante ameaçadores." Claro que você não vai precisar agir como um cão, mas ter uma perspectiva canina pode colocar você e seu bichinho na mesma sintonia.


Fonte: Petmag

Cachorros sentem o cheiro do medo, diz estudo

Carteiros, as maiores vítimas dos cães, devem usar fragrâncias que disfarcem o cheiro do medo


Meses após ter sido atacado por um cão, carteiro ainda sofre com o medo
Crédito: Reprodução / News1130




Não adianta os carteiros utilizarem “armas” para se livrarem dos ataques caninos na hora de entregar a correspondência. Parece que os cachorros simplesmente sentem o “cheiro ácido” do suor liberado por pessoas que se assustam quando os bichos começam a rosnar, segundo o jornal canadense Montreal Gazette.
A afirmação é do professor especialista em comportamento de cães da Universidade British Columbia, dr. Stanley Coren, que nesta semana deu dicas de segurança para 140 carteiros de Vancouver, no Canadá.
Uma vítima do instinto canino foi o carteiro Neil Melly que, durante seu trabalho, sofreu dois ataques violentos no outono passado. O pior deles foi em 29 de outubro, quando um Labrador solto em um quintal, surpreendeu Melly mordendo-o três vezes antes que o dono do animal pudesse socorrê-lo. O ataque deixou Melly com cicatrizes físicas e emocionais, e mesmo depois de ter folgas após os ataques, ele ainda sofre com o medo.
Segundo Coren, o medo é como um perfume doce para cães agressivos. “A pior coisa. Ele nos instiga a fazer coisas que provocam os cães”, disse ele ao periódico.
Ele sugeriu que os carteiros usem colônias com aroma de musk, que disfarçam o “cheiro ácido” do medo para impelir os ataques dos cachorros.

Fonte: Petmag

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Como descobrir se seu pet é destro ou canhoto

Pesquisa revelou que cães, gatos, aves e até peixes podem ser destros ou canhotos


Quem tem algum bichinho de estimação em casa deve ter reparado que o seu pet, naturalmente oferece uma patinha com mais frequência na hora das brincadeiras. Quando o bichano vai brincar com insetos ou mesmo tentar pegar o peixinho do aquário, ele também utiliza uma determinada patinha. A novidade é que essa tendência para usar a pata direita ou esquerda revela que o animal é destro ou canhoto.

A descoberta foi feita por um grupo de psicólogos da Universidade de Belfast, Inglaterra, que analisou o comportamento de 42 gatos. O pesquisador descobriu que as fêmeas tendem a ser destras enquanto os machos, canhotos. Com os cães, a tendência se repete, mesmo entre os bichos castrados.

A curiosa pesquisa também revelou que aves e até peixes têm um lado dominante. No caso dos papagaios, por exemplo, eles tendem a pegar os objetos com o pé direito. Já os peixinhos são ambidestros na hora de escolher para que lado seguir na fuga de um predador. Os cientistas descobriram que até as baleias jubarte têm um lado dominante. Os grandes mamíferos preferem o lado direito de sua mandíbula na hora de se alimentar.



O artigo publicado pela New Scientisttambém revelou que cães que balançam seu rabo para a direita estão relaxados, enquanto que para a esquerda significa que estão agitados ou com medo.

Fonte: Petmag